Resenha: O Coletor de Almas, por Douglas MCT. #130

27 dezembro 2012

O Coletor de Almas
Autor: Douglas MCT
Editora: Gutenberg

Sinopse: Terra Oca é um mundo fantástico onde habitam personagens emprestados de contos nórdicos e etruscos, mas desenvolvidos sob uma ótica particular e ambientados num cenário próprio, apocalíptico e épico, com bizarrias únicas. O Coletor de Almas conta paralelamente a história de três personagens a caminho de um sinistro desenlace: o fim do mundo. Larval tem a primordial função de manter o equilíbrio do mundo, alimentando Yggdrasil, a Árvore-Mãe, com a energia espectral das almas que coleta. Lisa é uma menina bruxa que conta com a ajuda de três grandes amigos para cumprir sua missão. Já o Ceifador é uma entidade sombria que vem, misteriosamente, colecionando cabeças de reis. Nem mesmo o encontro desses três personagens poderá ser capaz de impedir o trágico desfecho. Descubra um novo mundo, cheio de fantasia e elementos mágicos, com personagens que orbitam em redor da Árvore-Mãe, cada qual com seu propósito. E confira como esse mundo acaba: a graça está justamente em adivinhar quem sobrevive no final.

                Através de cenas como se fossem quadrinhos de HQ’s, com uma linguagem despretensiosa e de fácil entendimento, além de capítulos curtos que falam por si só, Douglas tece a narrativa acerca dos acontecimentos de Terra Oca, como Larval alimentando a Árvore-Mãe (Yggdrasil), as decapitações do Ceifador (neste momento não pude deixar de remeter ao personagem do cavaleiro sem cabeça, cujo filme leva o mesmo nome de A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, em que ele além de decapitar, recolhia as cabeças – tudo bem que no livro ele não é fisicamente parecido, mas tem como princípio a mesma busca desenfreada por cabeças), além, claro, das aventuras da pequena Lisa, que é uma menina bruxa.
                Com certeza muitas aventuras acontecem no decorrer do livro e um elemento surpresa (que com certeza eu adorei, rs) aparece para nos surpreender e ocorre de forma paralela à história dos personagens acima narrados. Além disso, o Ragnarok está próximo, causando alvoroço entre os seres místicos nórdicos e etruscos e os moradores das cidades que fazem parte de Terra Oca.
                As histórias se intercalam, sempre escritas em terceira pessoa do singular, com narrador observador e giram ao redor dos três personagens citados no primeiro parágrafo. Os nomes dos personagens são por vezes difíceis, além dos nomes dos elementos que fazem parte da Terra Oca, como, por exemplo, Sunnudagr, que significa domingo. Só podemos chegar a esta conclusão pois o autor disponibiliza no final um pequeno glossário.
                Creio que se o autor criar um outro livro, de mesma base, só que com as descrições mais aprofundadas, seria um sucesso igual ou maior que este!
                Com certeza foi um dos livros fantásticos que mais gostei neste ano! E é altamente recomendado aos amantes deste gênero, além dos que gostam do ritmo rápido das HQ’s. 

3 comentários

  1. Tô louca pra ler os livros dele! Parecem ótimos!

    Abs,
    Amanda

    ResponderExcluir
  2. Com certeza os demais livros do autor devem ser maravilhosos! Mal vejo a hora de poder tê-los em mãos, Amanda ^^

    ResponderExcluir
  3. Oi flor,
    Que diferente hein, já faz um tempo que não leio esse estilo, mas gosto muito esse por sinal me chamou atenção por ter esses mistérios. Quem sabe em 2013 eu consigo ler :D
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir