O Diário do Leitor

08/03/2019

[Resenha] O papel de parede amarelo


Nada melhor que comemorar nosso dia da mulher com um dos livros pioneiros no quesito Literatura Feminista. Charlotte Perkins tinha 32 anos quando publicou O papel de parede amarelo, no ano de 1892. Ela lutou até o ano de 1935 a favor dos direitos para as mulheres e só parou com sua morte. Até os anos 70, seu conto foi esquecido, sendo apenas redescoberto pelo movimento feminista e utilizado como se fosse uma Bíblia por essas mulheres.

Para você entrar de cabeça nessa leitura deve se desfazer das amarras do mundo machista em que estamos inseridas ainda hoje, após mais de 1 século depois de sua publicação. Além disso, deve perceber nos mínimos detalhes as metáforas que Charlotte usa para falar da opressão e da loucura em que ela se encontra. Sim, muitos estudiosos dizem que isso tudo estava realmente acontecendo com ela. Se não estava, buscou em alguém próximo um meio de retratar até onde a mente humana consegue chegar. Você deve entender cada palavra aqui escrita, pois elas trazem significados inimagináveis nas entrelinhas.

Temos aqui um conto narrado em primeira pessoa que mostra a vida de nossa protagonista. Ela está doente, de acordo com seu marido que é médico, e, por isso, acabam se mudando para uma outra casa, onde acaba confinada. Ao que tudo indica, com o passar do enredo, ela está em estado depressivo, mas John, o marido, acaba tratando tudo como um processo de histeria. Portanto o isolamento faria bem para sua mente irrequieta. Ela não pode ter contato com outras pessoas e qualquer mínimo esforço físico e mental lhe trariam consequências avassaladoras, podendo ficar ainda mais doente. Mesmo escrever lhe era privado, caso que certamente ela passou a ignorar, ainda que escondida. Essa era a única forma que ela havia encontrado para passar os dias e até mesmo desabafar, pois não podia confiar nas pessoas.

A casa é grande, há muitos cômodos e uma área externa que julgava muito bonita. Mas o marido pede que ela fique no quarto que escolhera, longe dos empregados e bem arejado. O problema é que tudo ali a incomodava. Principalmente o papel de parede, amarelado, repleto de fungos e com padrões de desenhos que mudam conforme o dia passa. Nele, temos dois planos. O primeiro, com grades. O segundo, com uma mulher (ou talvez mais, ela não sabe ao certo dizer). E é esta sua distração: entender o porque a mulher rasteja pelo papel. E ela não quer que mais ninguém descubra isso.

Durante todo o início da leitura percebemos que a protagonista é totalmente submissa ao marido, levando a crer que ele tinha outros pacientes realmente doentes para cuidar do que deixar suas vidas de lado para seu bem-estar. Mas conforme a narrativa vai acontecendo, observamos que aos poucos essa imagem de marido imaculado acaba caindo por terra. Não sabemos se ela está cansada de interpretar este papel de doente que está se recuperando (quando na verdade ela está pior do que quando chegara), que o marido acaba acatando, ou se a desconfiança a fez enlouquecer de vez.

Confesso que o final acabou me surpreendendo e ele é certeiro. Não imaginava que tinha realmente acertado, mas ao ler o epílogo pude perceber que a rota de fuga criada por ela era tão comum antigamente quanto é ainda hoje. Como disse anteriormente, nada aqui é o que parece e há muito mais nas entrelinhas do que podemos imaginar. Fiquei indignada em diversas passagens, pois percebemos o quanto o machismo esteve presente na vida das mulheres, fazendo com que suas autonomias não existissem ou fossem praticamente nulas. Ainda hoje vemos isso, mas é claro que com muito mais recursos que nos ajudem.

Se você quer “sair da caixinha” e encarar uma leitura mais profunda, repleta de reflexões, O papel de parede amarelo é a minha indicação de hoje. Lembrando que não podemos deixar de exaltar o trabalho gráfico da editora José Olympio, simples, mas extremamente significativo. 


O papel de parede amarelo
Autora: Charlotte Perkins Gilman
Editora: José Olympio
Número de páginas: 112
Onde comprá-lo: Amazon

Sinopse: Uma mulher fragilizada emocionalmente é internada, pelo próprio marido, em uma espécie de retiro terapêutico, em um quarto revestido por um obscuro e assustador papel de parede amarelo. Por anos, desde a sua publicação, o livro foi considerado um assustador conto de terror, com diversas adaptações para o cinema, a última em 2012. No entanto, devido a trajetória da autora e a novas releituras, é hoje considerado um relato pungente sobre o processo de enlouquecimento de uma mulher devido à maneira infantilizada e machista com que era tratada pela família e pela sociedade.

07/03/2019

[Informativo] 10 livros para comemorar o Dia Internacional da Mulher



Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Amanhã é 8 de março, mais conhecido como Dia Internacional da Mulher, e como representante desta data e ótima leitora, trouxe para vocês 10 livros que servem para comemorarmos e representar o que é ser mulher, independentemente de sua idade, cor e opção sexual. Um adendo para o oitavo livro, pois vocês poderão acompanhar a resenha aqui amanhã! Além disso, o livro bônus estará sendo sorteado no Instagram do blog também amanhã. Não é demais?

Fiquem agora com a sinopse e link para compra na Amazon. Basta clicar na capa que você será redirecionado para a página com desconto especial!

Mulheres que correm com os lobos
Os lobos foram pintados com um pincel negro nos contos de fada e até hoje assustam meninas indefesas. Mas nem sempre eles foram vistos como criaturas terríveis e violentas. Na Grécia antiga e em Roma, o animal era o consorte de Artemis, a caçadora, e carinhosamente amamentava os heróis. A analista junguiana Clarissa Pinkola Estpes acredita que na nossa sociedade as mulheres vêm sendo tratadas de uma forma semelhante. Ao investigar o esmagamento da natureza instintiva feminina, Clarissa descobriu a chave da sensação de impotência da mulher moderna. Seu livro, Mulheres que correm com os lobos, ficou durante um ano na lista de mais vendidos nos Estados Unidos. Abordando 19 mitos, lendas e contos de fada, como a história do patinho feio e do Barba-Azul, Estés mostra como a natureza instintiva da mulher foi sendo domesticada ao longo dos tempos, num processo que punia todas aquelas que se rebelavam. Segundo a analista, a exemplo das florestas virgens e dos animais silvestres, os instintos foram devastados e os ciclos naturais femininos transformados à força em ritmos artificiais para agradar aos outros. Mas sua energia vital, segundo ela, pode ser restaurada por escavações “psíquico-arquealógicas” nas ruínas do mundo subterrâneo. Até o ponto em que, emergindo das grossas camadas de condicionamento cultural, apareça a corajosa loba que vive em cada mulher. Clássico dos estudos sobre o sagrado feminino e o feminismo, o livro é o primeiro de uma série de longsellers da Rocco a ganhar edição com novo projeto gráfico e capa dura.



As cientistas – 50 mulheres que mudaram o mundo
Recheado de ilustrações encantadoras, As cientistas destaca as contribuições de cinquenta mulheres notáveis para os campos da ciência, tecnologia, da engenharia e da matemática, desde o mundo antigo até o contemporâneo, além de trazer infográficos sobre equipamentos de laboratório, taxas de mulheres que trabalham atualmente em campos da ciência e um glossário científico ilustrado. Entre as perfiladas, estão figuras bem conhecidas, como a primatologista Jane Googall e a química Marie Curie, e outras nem tanto, como Katherine Johnson, física e matemática afro-americana que calculou a trajetória da missão Apolo 11 de 1969 à lua. As cientistas celebra as realizações das mulheres intrépidas que abriram o caminho para a próxima geração de engenheiras, biólogas, matemáticas, médicas, astronautas, físicas e muito mais!



Extraordinárias: Mulheres que revolucionaram o Brasil
Dandara foi uma guerreira fundamental para o Quilombo dos Palmares. Niède Guidon descobriu os registros rupestres mais importantes do nosso território. Indianara Siqueira é uma das lideranças mais atuantes da comunidade trans. Essas e muitas outras brasileiras impactaram a nossa história e, indiretamente, a nossa vida, mas raramente aparecem nos livros. Este volume, resultado de uma extensa pesquisa, chega para trazer o reconhecimento que elas merecem. Aqui, você vai encontrar perfis de revolucionarias de etnias e regiões variadas, que viveram desde o século XVI até a atualidade, e conhecer os retratos de cada uma delas, feitos por artistas brasileiras. O que todas essas mulheres têm em comum? A força extraordinária para lutar por seus ideais e transformar o Brasil.



Americanah
Lagos, anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas grever, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra. Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze. Quando ela volta para a Nigéria, terá de encontrar seu lugar num país muito diferente do que deixou e na vida de seu companheiro de adolescência.



Olhos d’água
Em Olhos d’água Conceição Evaristo ajusta o foco de seu interesse na população afro-brasileira abordando, sem meias palavras, a pobreza e a violência urbana que a acometem. Sem sentimentalismos, mas sempre incorporando a tessitura poética à ficção, seus contos apresentam uma significativa galeria de mulheres: Ana Davenga, a mendiga Duzu-Querença, Natalina, Luamanda, Cida, a menina Zaíta. Ou serão todas a mesma mulher, captada e recriada no caleidoscópio da literatura em variados instantâneos da vida? Elas diferem em idade e em conjunturas de experiências, mas compartilham da mesma vida de ferro, equilibrando-se na “frágil vara” que, lemos no conto “O Cooper de Cida”, é a “corda bamba do tempo”. Em Olhos d’água estão presentes mães, muitas mães. E também filhas, avós, amantes, homens e mulheres – todos evocados em seus vínculos e dilemas sociais, sexuais, existenciais, numa pluralidade e vulnerabilidade que constituem a humana condição. Sem quaisquer idealizações, são aqui recriadas com firmeza e talento as duras condições enfrentadas pela comunidade afro-brasileira.

O que o sol faz com as flores
Da mesma autora de Outros jeitos de usar a boca, Best-seller com mais de 100 mil exemplares vendidos no Brasil. O que o sol faz com as flores é uma coletânea de poemas arrebatadores sobre crescimento e cura. Ancestralidade e honrar as raízes. Expatriação e o amadurecimento até encontrar um lar dentro de você. organizado em cinco capítulos e ilustrado por Rupi Kaur, o livro percorre uma extraordinária jornada dividida em murchar, cair, enraizar, crescer, florescer. Uma celebração do amor em todas as suas formas. Essa é a receita da vida minha mãe disse me abraçando enquanto eu chorava pense nas flores que você planta a cada ano no jardim elas nos ensinam que as pessoas também murcham caem criam raiz crescem para florescer no final.
O segundo sexo
O segundo sexo foi publicado originalmente em 1949 e consagrou Simone de Beauvoir na filosofia mundial. A obra, no entanto, não ficou datada e tornou-se atemporal e definitiva. Este boxe traz a divisão original em dois volumes. No primeiro volume, a autora aborda os fatos e os mitos da condição da mulher numa reflexão fascinante. Já no segundo, Simone de Beauvoir analisa a condição da mulher em todas as suas dimensões: sexual, psicológica, social e política. Uma obra fundamental, que inaugurou um novo modelo de pensamento sobre a mulher na sociedade.
O papel de parede amarelo
Uma mulher fragilizada emocionalmente é internada, pelo próprio marido, em uma espécie de retiro terapêutico em um quarto revestido por um obscuro e assustador papel de parede amarelo. Por anos, desde a sua publicação, o livro foi considerado um assustador conto de terror, com diversas adaptações para o cinema, a última em 2012. No entanto, devido a trajetória da autora e as novas releituras, é hoje considerado um relato pungente sobre o processo de enlouquecimento de uma mulher devido à maneira infantilizada e machista com que era tratada pela família e pela sociedade.

A cor púrpura
Edição revisada, em novo formato e com nova capa da obra-prima de Alice Walker, vencedora do Pulitzer. Um dos mais importantes títulos de toda a história da literatura, inspiração para a aclamada obra cinematográfica homônima dirigida por Steven Spielberg, o romance A cor púrpura retrata a dura vida de Celie, uma mulher negra no sul dos Estados Unidos da primeira metade do século XX. Pobre e praticamente analfabeta, Celie foi abusada, física e psicologicamente, desde a infância pelo padrasto e depois pelo marido. Um universo delicado, no entanto, é construído a partir das cartas que Celie escreve e das experiências de amizade e amor, sobretudo com a inesquecível Shug Avery. Apesar da dramaticidade de seu enredo, A cor púrpura se mostra extremamente atual e nos faz refletir sobre as relações de amor, ódio e poder, em uma sociedade ainda marcada pelas desigualdades de gêneros, etnias e classes sociais. 

Pollyanna

Órfã de pai e mãe, Pollyanna, uma menina de 11 anos, é acolhida pela tia Polly, sua única parente viva. Rica e intransigente, a tia é desprovida de compreensão e afetividade, e recebe a menina em sua casa como um dever. Pollyanna, por sua vez, é uma menina encantadora, que a todos conquista com sua paixão pela vida e pelas pessoas, seu otimismo, sua alegria de viver... e o Jogo do Contente, que pratica e ensina a quem quiser aprender. Um jogo em que ninguém perde, todos ganham – e se transformam. Clássico da literatura juvenil universal, publicado em 1913, esse livro vem encantando gerações de leitores de diferentes idades em diversas línguas, tendo se tornado leitura obrigatória e necessária a quem quiser ver a vida sem amargura, descobrindo sempre o lado bom de tudo.


BÔNUS (COM SORTEIO NO INSTAGRAM AMANHÃ)

Vamos juntas?
O guia da sororidade para todas. Toda mulher já se sentiu insegura na hora de sair sozinha na rua. O risco de ser abordada, perseguida ou assediada é uma realidade. Mas, um dia, uma moça chamada Babi Souza teve uma ideia simples e revolucionaria: da próxima vez em que você estiver sozinha, olhe para os lados. Pode ter outra mulher andando na mesma direção. Por que não vão juntas? Logo, o movimento Vamos Juntas? conquistou moças em todo o Brasil, se tornando um símbolo de união feminina e feminismo, na defesa por direitos iguais entre homens e mulheres. Aos poucos, muitas mulheres mudaram sua forma de enxergar o dia a dia e a moça ao lado. Além de daod sobre o feminismo, que mostram como ainda há tanto a ser conquistado, este guia traz relatos de mulheres que aprenderam, junto ao Vamos Juntas?, a enxergar companheiras umas nas outras. A se unir, ao invés de rivalizar.

05/03/2019

[Informativo] Lançamentos de Março da Faro Editorial


Olá pessoal, tudo bem com vocês? Vamos conhecer hoje os lançamentos da Faro Editorial para março? Lembrando que clicando na capa você é redirecionado para a página de promoção da Amazon!


Ficha Técnica
Nº de páginas: 160
Preço: R$34,90

04/03/2019

[Informativo] Como economizar dinheiro com cupons de desconto



Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Carnaval rolando solto. Leituras sendo colocadas em dia. Mas você ainda está com o carrinho repleto de livros que gostaria que fizessem parte de sua estante? Então aproveitem, pois tenho uma super dica para vocês!

Já conhecem o site Cupom Válido? Ainda não? Então vocês passarão a utilizá-los em suas compras a partir de hoje, não somente para montar sua biblioteca particular!

Indicado pela Revista Exame como um dos sites que garante descontos incríveis, o Cupom Válido realiza parcerias com diversas lojas online e você tem acesso aos cupons de desconto sem realizar nenhum cadastro! Quer maneira mais fácil de economizar um dindim? Além disso, os cupons são atualizados diariamente, então não tem erro.

Vamos utilizar como exemplo a Amazon. Entrando no site do Cupom Válido e buscando pela loja, basta clicar em cima de um dos cupons válidos.


Após clicar, uma tela com o código será aberta. Copie ele e clique em “Ir para a Loja”. Depois de colocar os produtos no Carrinho de Compras e avançando até fechar o pedido, na tela de Pagamento basta você colar o código na área “Vale-presente ou Cupom de desconto.


Super fácil, não é mesmo? E essa dica serve para todas as outras lojas já cadastradas por lá! Então corre e conta pra gente o que você achou dessa maravilha do mundo moderno da internet.

03/03/2019

Sorteio!


Oi pessoal!!!

No mês de março a Ana, do blog Livros de Elite faz aniversário, mas o presente quem ganha são vocês! <3 Então vamos presentar dois leitores com quatro livros, dois para cada.


Para participar é fácil, preencha o formulário abaixo, siga as regras e boa sorte!


SUBIR