[Resenha] Cartas dos Mortos

04 junho 2014

Cartas dos Mortos
Autor: Alex Martins
Editora: Sollo Editorial
Número de Páginas: 120

Sinopse: No corredor da morte não tem muito o que se fazer, eu só pensava, pois para as pessoas lá fora eu não passava de um criminoso hediondo, mas eu sabia o que significava meu trabalho. E eu também sabia que eles haviam entendido minha mensagem, talvez de uma forma mais brutal do que realmente era, mas entenderam. Eu ficava lá em minha cela, às vezes até tentava me lembrar do rosto daquelas mulheres para talvez sentir alguma piedade, ou quem sabe culpa, mas eu não sentia nada e na verdade sentia um imenso prazer no que fiz. Chegou meu dia, um padre entrou em minha cela para me dar a extrema unção e para que eu fizesse minha última confissão. Mas eu não tinha nada com aquele homem na minha frente, pois eu falava diretamente com aquele que dizia representar, eu apenas cuspi em sua pútrida face e o excomunguei da ordem de meu Deus. 14:00 horas da tarde, hora da minha centença, aquilo que eu mais aguardava, o meu encontro com Deus, e também com meu pai.

Primeiro vou fazer minhas considerações gerais sobre o livro e depois a resenha propriamente dita, ok?


Recebi o livro Cartas dos Mortos de cortesia da Editora Sollo Editorial, através de um sorteio que acontece entre todos os parceiros, onde cada um pode manifestar seu interesse nas obras e há uma rotatividade. Já li uma outra obra da mesma casa editorial, que foi Lilith, da autora Adriana Vargas. Quando vi que havia ganho a vez e poderia recebê-lo, fiquei extremamente feliz, mas meu descontentamento aconteceu quando o mesmo chegou em casa.

Vocês devem saber que não sou de ler sinopses para que não pegue nenhum spoiler aparente. Foi o que também fiz desta vez. Mas depois, quando fui escrever a resenha, percebi que há erros de concordância e grafia de algumas orações e palavras. O mesmo acontece no interior. Nada de tão gritante, mas que qualquer pessoa pode visualizar rapidamente, apenas folheando o mesmo. Por isso não pensem que fui eu quem errei não, apenas deixei do jeito que estava para que comprovasse o que digo aqui.

Com exceção disso, a capa e diagramação interna são bonitas.

E vamos ao conteúdo. De acordo com a proposta, o livro traz cartas escritas por mortos. Como isso é meio impossível, o que pude entender é que talvez sejam cartas psicografadas. Num primeiro momento, sabemos – ou não – o nome do(a) falecido(a), causa da morte, datas de nascimento e óbito, além de um título que, muitas das vezes, aponta também a causa mortis.

Depois de cada carta, uma frase de impacto sobre o mesmo, seguido de uma explicação mais técnica sobre o que é a cada uma das causas de morte.

Por serem cartas “escritas” postumamente, a la Memórias Póstumas de Brás Cubas, elas são um tanto inexperientes com relação à escrita. Mas mesmo assim, são envolventes e nos mostram como a experiência de morte pode modificar a visão de um ser humano, ainda que esta experiência não tenha volta.

O livro tem uma proposta bacana, mas o autor, talvez por ter somente agora um livro mais denso (já que anteriormente ele escrevia apenas poesias), não soube aprofundá-lo de maneira com a qual me cativasse. Ainda assim me emocionei em algumas das quinze cartas, como na do pobre feto que foi aspirado antes mesmo que ele conseguisse se desenvolver sadiamente e a da jovem criança que faleceu após despencar de um brinquedo no dia das crianças.

Mamãe, eu não sei por que deixou que fizessem toda essa monstruosidade comigo, acredito que você não também não tenha tido culpa dos seus atos e quero que você saiba que, mesmo assim, eu te amo muito. Quem sabe um dia, se existir essa ocasião, nós nos encontraremos e podemos quem sabe esclarecer muitas coisas que ficaram pendentes entre nossas vidas juntas. Assim, perdoaremos uma à outra por tudo o que aconteceu.

Espero que, futuramente, o autor tenha a oportunidade de repensar os textos do livro, pois ele tem muito potencial para fazer sucesso! Espero também que todos entendam que o livro é bom, mas devido alguns fatores não me cativou integralmente.



3 comentários

  1. cara a capa já não é muito boa então já começa por ae.
    eu não leria o livro e não pela sua resenha, mas porque ele n me interessou em nada mesmo.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Pamela

    Agradecemos demais sua parceria e seu carinho com a editora.

    Atenciosamente

    Sollo Editorial

    ResponderExcluir
  3. Não é muito bonitinho né?
    Não é meu tipo de leitura, por isso acho que não leria!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir