[Resenha] Os belos dias de minha juventude

30 maio 2015


Os belos dias de minha juventude
Autor: Ana Novac
Editora: Cia. Das Letras
Números de Páginas: 223
Sinopse: Em 1944, quando se tornou prisioneira em Auschwitz, Ana Novac era apenas uma adolescente. Para amenizar a rotina de maus-tratos, a jovem romena adquiriu o hábito de escrever diariamente sobre sua vida no campo de concentração. Fugindo da vigilância dos alemães, ela vasculhava lixos à procura de pedaços de papelão, de papel ou de qualquer material onde pudesse registrar suas impressões – que só foram publicadas, em forma de diário, 22 anos depois. Além de um relato incisivo dos seis meses em que Ana Novac foi prisioneira do regime nazista, essas anotações são o único documento autobiográfico produzido em campos de concentração que foi preservado depois da guerra.Numa escrita que muitas vezes sugere um estado de torpor – “nada fustiga tanto a fantasia quanto a fome” -, Ana Novac narra os inúmeros casos de doenças por falta de higiene, o sumiço repentino dos amigos, as agressões físicas e todo tipo de tortura psicológica imposta aos prisioneiros.Nas histórias se alternam as lembranças do passado, como o irmão mais novo ou uma paixão que ficou para trás, e os personagens do presente, como Cabeça de Boneca, a guarda perversa que atira a esmo e sorri enquanto maltrata um prisioneiro; ou a amiga Sophie, que “evita referir-se à morte pelo nome”.Apesar de escrito por uma jovem de quinze anos, o que se lê nestas páginas é um retrato maduro de uma dos momentos históricos mais sombrios do século XX.

Adquiri esse livro na última Bienal daqui de SP e, por ser um livro autobiográfico, meus olhinhos já brilharam. É um dos gêneros que mais gosto. Mas ao iniciar a leitura, percebi o quanto ela iria ser maçante. E não deu outra, foi extremamente maçante.

Como diz na sinopse, a história vai se alternando com lembranças do passado e, em minha opinião, foi o ponto crucial para a leitura, pois quando ela pegava um ritmo bom, do nada ia para o passado e pronto: Oi sono!!!

Mesmo a leitura sendo maçante, devo confessar que a narrativa de Ana Novac me deixava em um estado que não tenho como explicar. O que ela e as outras prisioneira passaram é algo que não tem como definir; as agressões, o modo como tinham que dormir e acordar no meio da sujeira, a pressão psicológica imposta, tanto pelos oficias, como pelas outras prisioneiras, a sobrevivência das delas em meio aquele caos. Deu para sentir tudo na pele ao ler o livro. A escrita, ou melhor, a tradução foi tão boa, tão sucinta, que me fez sentir na pele tudo aquilo que acontecia com Ana Novac.

Os belos dias de minha juventude foi um livro de leitura tensa, cansativa, mas de sentimentos a flor da pele. Não recomendo a todos a leitura. Na verdade, recomendo, mas que tenham em mente que é uma leitura que vai demorar. Não é um livro para ser devorado, e sim para ser apreciado.




22 comentários

  1. Oi Bruna, Livros maçantes são uma loucura, mas isso que os torna especial. Adorei a resenha, e inclusive sua opinião é ótima! adorei mesmo. beijo

    http://vampleitores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu não consigo ler livros autobiográficos, infelizmente. Definitivamente, eu desistiria desse livro, mas sua resenha ficou bem legal.

    Beijos
    http://www.breakingfree.blog.br/

    ResponderExcluir
  3. Olha eu sinceramente não curto livros que tem uma narrativa arrastada sabe?
    Eu fico com sono e comigo não funciona sendo assim.
    Mas não irei julgar o livro sem antes conhecer, porque as vezes a gente pode acabar se surpreendendo né? Espero poder ter a oportunidade de fazer a leitura quando puder. Esteve na BIENAL DE SP? Eu tbm fui e tava uma loucura O.o
    Mas mesmo assim valeu a pena sair de tão longe pra ir lá hehehehe

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/05/resenha-centelha.html

    ResponderExcluir
  4. Oi,

    eu nunca tinha ouvido falar desse livro, e olha que adoro os livros da Cia., mas pelo que li parece ser um livro interessante, só não sei se leria no momento porque estou fugindo de livros maçantes. Adorei a resenha.

    Att,
    decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Bruna, atualmente temos muitos livros relacionados a Segunda Guerra Mundial. Eu particularmente acabei de comentar em outro blog sobre isso, que é importante fazer esse tipo de leitura para honrar a vida das pessoas que passaram por essa parte tão triste da nossa história e que marcou e marca muitas gerações. Foram dias difíceis que merecem muito respeito e a leitura é maçante e me faz pensar que tomara que nunca mais tenhamos nada parecido nem de perto com o que essas pessoas viveram.
    Gosto muito de autobiografias ainda mais essas que trazem ensinamento para a nossa vida!
    Esse está indo para minha lista do Skoob!
    Beijos
    http://scraplivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Que resenha maravilhosa, que capa linda, que livro perfeito, socorro! To apaixonada e doidinha para comprar e ler logo.
    Bjs, Bai do blog https://blackisthenewhappy.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Adoro leituras demoradas, que vou degustando cada linha, pensando, refletindo e compreendendo. considero os melhores.
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu não curto esse gênero, pois fico perdida em ficção e realidade. Acho que o último que li assim foi Orange is the new, que também traz relato da prisão do autora.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Eu não sou muito fã de livros autobiográficos porque sempre me deparo com leituras arrastadas, demoradas e até mesmo pesadas. Eu não conhecia o livro, nem mesmo a história que o envolve, mas sei que não é uma leitura que eu colocaria na minha estante.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Brubs,
    Confesso que fujo de leituras um tanto maçantes, mesmo sendo um livro que de certa forma me ganhou logo de cara, talvez seja uma leitura para o futuro, estou na epoca que quero livro com uma leitura mais rápida, que me conquiste.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos
    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  11. Oi Bruna.
    Que pena que a leitura foi cansativa. Mas bom saber que pelo menos a Ana conseguiu passar as emoções que ela sentia. Adorei sua resneha.
    Beijos
    Carol
    www.sobrevicioselivros.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Bruna!
    Hum... Mesmo sendo uma leitura cansativa me pareceu ser aquelas que te levam a refletir sobre diversos assuntos. Adorei a sua resenha sincera, ficou uma bela dica.
    Bjus
    Juh - Surtos da Juleka

    ResponderExcluir
  13. Olá; acho que livros com a guerra como tema precisam ser muito bem dosados para renderem uma boa obra, ainda mais quando é autobiográfico. Ainda não conhecia esse livro.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    Não conhecia ainda esse livro mas achei a premissa dele bem interessante! Li O Diário de Anne Frank que é um livro com o estilo parecido com esse e a leitura foi muito comovente!
    Acredito que mesmo você falando que o livro foi um pouco maçante eu iria apreciar essa leitura então fiquei bem interessada...

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  15. Oi Brubs, tudo certo?
    Não conhecia o livro, na verdade nunca o tinha visto antes. Gostei da premissa por ser uma história real, o que eu adoro, e ainda mais por ser um drama e se passar nesse cenário que sempre me deixa curiosa, mas triste. Adorei saber sua opinião sobre ele.
    Beijos
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Eu nao conhecia o livro, nem autora.. E infelizmente a obra não faz meu estilo de leitura. Em um aspecto na sua resenha, eu discordo um pouco de você.. Não é porque leio um livro rápido que eu não aprecie a obra. Por exemplo, já li um livro do George em três dias e outros em um mês, devorei mesmo, contudo o entendimento da obra foi divino. Livros como O mundo de Sofia, que é perfeito, li em meros 4 dias. Eu devoro os livros, mas consigo apreciar a obra e destacar cada parte do livro que mais gostei e sempre guardar os ensinamentos. Mas enfim, o enredo não me chamou muita atenção, livros com histórias contadas no inicio de algum século, com revoluções, acaba ficando cansativo, pois acaba misturando a história da personagem e da época.. alguns autores ainda não sabem separar e ao mesmo tempo interligar ambos. Apesar que você fala que o livro traz separado... mas minhas leituras do momento são outras. :/

    ResponderExcluir
  17. Oiee ^^
    Gostei da capa, mas aí vi a classificação de três estrelas e já desanimei. Gosto muito de histórias sobre guerras e essa coisa toda, mas não estou a fim de perder tempo lendo livro chato não *-*
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Olá,
    Sinceramente tenho pouca paciência para livros maçantes. Além de que não me interessei pela premissa, então acho que não leria

    ResponderExcluir
  19. Primeira vez que vejo algo sobre o livro. Eu gosto de biografia e geralmente são maçantes mesmo. Mas eu gosto dessa parte nostálgica =P Gosto muito!

    Um abraço pra ti!
    Pensamentos Valem Ouro

    ResponderExcluir
  20. Olá, tudo bem?

    Como você também amo uma auto-biografia, e essa me lembrou do filme e do livro Olga, apesar dessa protagonista/pessoa ter 15 anos e Olga uma mulher feita. Leria com certeza.


    bjs

    ResponderExcluir
  21. Oi, flor!
    Não conhecia o livro e depois da sua resenha acredito que não irei ler por vários motivos.
    Leitura cansativa é um saco, quando tem um enredo até bacana da pra ir levando mas quando não tem, simplesmente não da.

    Beijocas da Deebs!

    ResponderExcluir
  22. Olá Bruna!
    Eu não conhecia o livro, mas mesmo lendo a sua resenha não me encantei pela história.
    Essa realmente deixarei passar.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir