[Resenha] A Lista

21 fevereiro 2016

A Lista
Autora: Jennifer Tremblay
Editora: Autêntica
Número de Páginas: 80
Você pode adquiri-lo em: Submarino
Sinopse: “A Narradora se desespera: ‘O que você, Caroline, gosta no fato de ter filhos?’; ‘Gosto da facilidade de se amar os filhos’. Gosto da facilidade de se compreender este texto. Gosto da tradução da Risa. Da poesia da Jennifer. Do ritmo alucinado de sua calma. Batidas à porta. Mais portas. Menos janelas. Mais saídas reais. Apareça lá em casa. Mesmo. Traga seu pijama. Eu acendo a lareira. Eu não tenho lareira. Mas acendo. Também trago no peito as marcas das minhas listas impossíveis. Também preciso parar. Abrir a porta. Pois trago no peito a memória de nossa humanidade possível. Apareça. Agora estou menos enlouquecida. Agora estou aqui, de verdade.” [Clarice Niskier]

A princípio encenada como peça teatral em 2010, A Lista ganhou prêmios de melhor peça da temporada. Depois disso, Jennifer Tremblay transformou seu roteiro em livro, sendo publicado no Brasil pela Autêntica em 2014, ano em que o último livro desta trilogia foi publicado no exterior. São eles: Le Carrousel (2011) e La Délivrance (2014). Por aqui ainda não temos previsão para o lançamento dos demais livros que fazem parte da série.

Com um prefácio escrito por Clarice Niskier, já somos iniciados com uma ambientação das listas que acompanharemos do início ao final do enredo de Jennifer. E percebemos também o quão tocante a obra será.

Não se preocupe. Você vai se comover. Vai se emocionar. Vai pensar nas suas listas. Lembrar do que cumpriu. Do que não cumpriu. Não se torture. Sua memória não foi feita para isso.

Dividido em sete atos – Expiração, Opressão, Dispneia, Síncope, Asfixia, Sufocação e Inspiração – , somos apresentados à uma mãe de família exausta e ressentida. Ela não está no lugar que gostaria, cansada dos filhos e do casamento. Mas a morte de Caroline, uma possível amiga e que levava uma vida parecida – com a exceção de que estava sempre contente e feliz – mexeu com todos seus sentimentos.

Aos poucos, voltamos a acontecimentos que já aconteceram, como se ela própria estivesse refletindo sobre cada ato que cometera desde que se mudaram.

Sempre fugindo dos outros, ela acaba se vendo ainda mais sozinha. E é em um destes momentos que seu marido decide aceitar o convite para a festa de uma das filhas de Caroline. A menina está eufórica por ganhar tantos presentes, que nossa protagonista percebe, inclusive, quando ela está prestes a mentir. E adora isso nela. 

Não posso fugir da paisagem. / Mas posso fugir das pessoas.

Foi nesse momento que percebi o quão doente ela é, até mesmo quando ela decide ir com Caroline ver um filme. Ambas sabem o quanto ficarão tristes após assisti-lo, mas vão mesmo assim. A protagonista não sabe o porque da jovem querer mais filhos e a resposta que ela dá em seguida a surpreende. Realmente, é um amor rápido e fácil o dos filhos. É algo que ela necessita, que supre suas vontades, seus anseios. Mas ao mesmo tempo, ela se sente tão culpada, que não consegue exprimir isso de maneira tão clara em seu monólogo.

Caroline está grávida. A quinta gestação lhe traz medos. Não pode deixar os outros quatro órfãos. E é aí que o tormento de nossa protagonista cai de vez. Daí para o fim fatídico da jovem, ela se sente cada vez mais responsável pela morte prematura de uma mãe de família. Mas o que será que de fato que acontece? Como ela consegue digerir os acontecimentos?

Acho que antes de mais nada, A Lista é um tapa na cara dessa sociedade egocêntrica, que não tem tempo nem para olhar para o próximo, que está a seu lado. Negligenciamos tantos fatos, que na maioria das vezes julgamos como pequenos erros são, na realidade, grandes delitos. Outro ponto bem bacana da narrativa de Jennifer é que ela nos leva a grandes reflexões sobre nosso dia-a-dia. Será que estamos nos tornando A Narradora? As listas dela se parecem tanto com as nossas, que não temos como não nos identificarmos em muitos pontos descritos na obra.

Não é a toa que ela foi tão premiada enquanto peça teatral. Imagino a magnitude e o sofrimento ao assisti-la, pois foi exatamente estes sentimentos que tive ao ler. Quantas narradoras e quantas Carolines existem nessa vida. Quantas sofrem o que elas sofreram. Foi extremamente tocante!

A editora caprichou nesta capa simples, mas que ao mesmo tempo transmite o quão frágil é a árvore da vida. A diagramação interna é bela, fonte ótima para leitura e em cor azul marinho. A capa dura demonstra o cuidado com a edição de um livro que, com certeza, assim como sua peça, também será muito premiado.


Em suma, é um livro para ser degustado da primeira a última lista! 

22 comentários

  1. Oiii, meu deus preciso ler este livro!!!
    E que edição maravilhosa, preciso para ontem kkkkkkkk gostei bastante da sua resenha <3
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Adorei sua resenha, gostaria muito de ler essa obra ;)


    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse livro e o fato dele dar na cara da sociedade já me fez amá-lo sem conhecer. Fiquei bem curiosa para conhecer a trama e espero poder fazer isso em breve, pois realmente gostei muito da premissa e de tudo o que disse sobre o livro.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  4. Oi Pâmela, não conhecia o livro e confesso que não é um enredo que tenha me interessado no momento.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  5. Oi Oâmela!!!
    Eu nunca ouvi falar do livro, mas admito que pelo que li da resenha não seria um livro ao qual eu iria me interessar. Mas ao todo sua resenha está incrível e que bom que você gostou do livro :)
    Até uma próxima o/

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Não o conhecia, mas não sei se o leria, depende de como foi escrito, se estiver em texto corrido, até darei uma chance, mas se estiver como roteiro teatral mesmo, aí não o leria, porque não gosto de livros escritos em forma de roteiro de teatro, não é uma leitura que me deixa confortável.

    ResponderExcluir
  7. Olá, acho que essa é a primeira resenha que vejo do livro e só por ela já me senti tocada pela trama, acho que é um daqueles livros que certamente vão me marcar pelos personagens e seus questionamentos. Amei a resenha.

    ResponderExcluir
  8. Ola Pam adorei a premissa e mensagem do livro toda tapa na sociedade deve ser premiado e quem sabe a fazer acordar para a realidade. Não conhecia o livro, adorei a capa e já está indo para minha lista de leitura. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  9. Olá, Pam. Gostei da sua resenha, mas fiquei confusa com uma coisa. Caroline morreu e Caroline está grávida? Realmente fiquei bem confusa.
    No mais, a capa do livro é linda e por ser uma leitura rápida, se eu tivesse a oportunidade, o leria.

    Beijo,
    http://www.pactoliterario.com/

    ResponderExcluir
  10. olha, não vou negar que achei essa edição muito bonita, maaas não sei se faria a leitura nesse momento... de qualquer forma,d eixei a sugestão anotada para futuras possíveis leituras...
    só uma dúvida: ele é é escrito em prosa ou como narrativa teatral???

    ResponderExcluir
  11. Pamela, adorei o livro por tudo que você falou dele, principalmente por dizer que ele é um tapa na cara da nossa sociedade.
    Já estava com vontade de ler o livro, acho que agora a vontade triplicou.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  12. Olá!

    Li este livro no fim do mês passado, em um dia kkkk menos que isso. Me surpreendeu demais o livro, não esperava tudo o que ele me mostrou e nem que fosse tão bom. Estou com uma resenha dele para sair qualquer dia desses. A protagonista realmente consegue passar muita emoçãoo sobre tudo o que ela vive com Caroline e sem Caroline. Adorei mesmo o livro. E a capa... Que maravilhosa, capa dura, uma pintura super linda... Amei!

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  13. Olá linda,

    Sua resenha está maravilhosa e imaginei você narrando a história haha.

    Amo livros com críticas sociais claras e petulantes que não escondem a verdade e mexem numa ferida viva e bem aberta.

    Como é curtinho vou incluir nas minhas leituras de Abril.
    Beijinhos,
    http://poesiaqueencantavida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Curti bastante o fato de primeiro ter tido uma peça teatral e depois o roteiro ter virado livro. Só achei completamente desnecessário ser uma trilogia se este volume só tem 80 páginas... De qualquer maneira, fiquei com vontade de conhecer a vida dessas duas mães de família com histórias parecidas e formas tão diferentes de lidar com elas.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  15. Que resenha maravilhosa! Fiquei encantada e já quero muito realizar essa leitura! Que bom que a autora transformou o roteiro da peça em livro, pois assim poderá passar a mensagem que deseja para ainda mais pessoas! Deve ser uma leitura bem pesada, com bastante margem para reflexão, e gosto disso. Acho que será uma leitura bem proveitosa para mim também. Adorei a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Olá, tudo bom?
    Nossa, você me fez ficar arrependida por não ter solicitado o livro haha sério mesmo. Que história linda, tocante e sensível. Tudo o que eu gosto em um livro :'( Isso do livro nos dar um tapa na cara é o que mais me deixou curiosa pela leitura. A editora sempre arrasa na edição dos livros.
    bjs
    www.horadaleitur.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Mesmo com todo o sucesso que você disse que a peça teve, eu vergonhosamente confesso que não conhecia... Parece ser uma história bem tocante, que mexe com sentimentos, mas achei também um pouco confusa. Quero ler quando tiver a oportunidade.
    Bjs!
    Quem Lê, Sabe Porquê

    ResponderExcluir
  18. Oi *--*

    Uau como eu não conhecia esse livro incrível???? Adoro esses livros que falam de tanta coisa importante e faz criticas sociais, e é verdade as vezes acabamos negligenciando algumas coisas pois somente olhar para nosso nariz.

    Bjos
    rillismo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. Oie, tudo bom?
    Não conhecia esse livro e nem sua história. Achei a narrativa extremamente intensa e sua resenha deixa curiosidade sobre a obra. A capa é simples e bonita.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi Pam, sua linda, tudo bem?
    Não conhecia esse livro, mas pela forma como você nos contou a história, os sentimentos da personagem parecem ser bem intensos. Geralmente as peças de teatro são textos muito ricos, por isso não vejo a hora de ler!!!
    Gostei da sua resenha.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Olá!
    Não conhecia esse livro. A história apesar de não ter me interessado tanto, parece ser muito boa ainda mais vindo de pelas teatrais.

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  22. Mulher, eu terminei de ler há uns 20 minutos e ainda estou um pouco chocada.
    Eu amei o livro. E amei de novo sua resenha!!
    Sério, preciso me recompor.

    Lelê

    ResponderExcluir