[Resenha] Um menino em um milhão

06 julho 2017

Um menino em um milhão
Autora: Monica Wood
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 352
Onde comprá-lo: Amazon

Sinopse: Quinn Porter é um guitarrista de meia-idade que nunca conseguiu deslanchar na carreira. Enquanto aguardava sua grande chance na música, foi um marido e pai ausente, e jamais conseguiu estabelecer um vínculo afetivo com o filho, uma criança obcecada pelo Livro dos Recordes e algumas peculiares coleções. Quando o menino morre inesperadamente, alguém precisa substituí-lo em sua tarefa de escoteiro: as visitas semanais à astuta Ona Vitkus, uma centenária imigrante lituana. Quinn assume então o compromisso do filho durante os sete sábados seguintes e tenta ajudar Ona a obter o recorde de Motorista Habilitada Mais Velha. Através do convívio com a idosa, ele descobre aos poucos o filho que nunca conheceu, um menino generoso, sempre disposto a escutar e transformar a vida da sua inusitada amiga. Juntos, os dois encontrarão na amizade uma nova razão para viver. Um menino em um milhão é um livro sensível, poético e bem-humorado, formado por corações partidos e aparentemente sem cura, mas unidos por um elo de impressionante devoção pessoal.



Eu não fazia a menor ideia de que encontraria um enredo realmente emocionante em Um menino em um milhão. Havia visto algumas resenhas antes de finalmente pegar no livro, mas não imaginava que seria tão impactante assim.

Quinn tinha um filho de onde anos, chamado Brolis. Ele era escoteiro da Tropa 23 e fazia trabalhos voluntários na casa da Srta. Ona Vitkus, uma lituana que tinha cento e quatro anos e há muito morava nos estados Unidos. 

O homem era, sem sombra de dúvidas, um pai ausente, que só pensava em trabalho e largava a família de lado. O menino era metódico e organizava tudo de dez em dez, fato que ele só descobriu após a morte do menino, de forma abrupta e não esperada.

Mas a vida de Quinn muda após isso tudo acontecer. Ele assume o papel de seu filho e irá terminar de ajudar Ona Vitkus nas tarefas que o menino havia se prontificado a realizar. O que ele não imaginava era que o filho havia dado uma nova vida à idosa e que ele teria pela frente uma grande aventura, incluindo desafios do Guiness Book. 

A grande dúvida que pairava na cabeça dele é: será que ele seria capaz de cumprir tudo o que havia prometido? Ou largaria mão na primeira oportunidade, como acontecera várias vezes?



Achei bem bacana a forma com a qual Monica Woods mostra as várias facetas do luto, como as pessoas lidam com isso. Belle, a mãe de Brolis, não aceita a morte do filho, não entende o porque, e acaba colocando (de certa forma) a culpa em Quinn. Já o pai percebe que perdeu onze anos da vida do menino e que, infelizmente, não poderia voltar atrás. Mas ele poderia dar continuidade nas coisas que o filho fazia e, com isso, arruma uma grande amizade, inclusive com a ex-mulher. 

Além disso, a amizade entre um jovem e uma idosa é emocionante. Acho que isso é essencial aos mais velhos: estar em contato com crianças e adolescentes, pois podem passar coisas que já aprenderam e aprendem muito com eles também. 

Mas mesmo com todos estes detalhes, a leitura não me prendeu em cem porcento do livro, o que me deixou prolongar seu fim por semanas... Acho que a forma compassada, da mesma forma que o protagonista já morto era, acabou quebrando o ritmo da leitura. 

Focando agora na parte gráfica: a capa é extremamente chamativa, desde o fundo vermelho e os detalhes que nos remetem a todo tempo ao conteúdo do livro. Além disso, ela é sensível ao nosso toque, o que é maravilhoso e ao mesmo tempo um terror na vida dos amantes dos livros, porque todas as nossas digitais ficam nele, rs. A diagramação interna é relativamente simples, como aparece na segunda foto. A fonte e seu tamanho são ótimos para a leitura. 

Então é o seguinte... Se você está atrás de algum livro que faça você se emocionar, este talvez seja o ideal. Se você procura grandes histórias e grandes aprendizados de vida, escolha sem sombra de dúvidas Um menino em um milhão.


16 comentários

  1. Ele parece ser um livro emocionante. Achei triste pelo garoto, mas bonito pela relação que ele teve com a velhinha e como o pai dele acaba conhecendo um pouco mais do filho e de como ele era através dessa relação com a idosa.
    É triste você pensar que o garoto teve um pai ausente, fico imaginando como foi isso pra ele. Mas mais triste pelo que o pai desse garoto perdeu. Ele deve ter sentido os erros do passado ao perceber que mal conhecia o garoto e ver que agora é tarde demais pra isso. Me deixou curiosa pra conhecer essa história por essas coisas.
    Parece um livro que consegue passar boas mensagens e emocionar.

    ResponderExcluir
  2. Parece ser uma história bem sensível, profunda e emocionante! Me chamou a atenção essa questão de autora abordar o luto.
    Apesar de não curtir muito esse gênero literário e meu coração não estar lá muito bem para fortes emoções, leria o livro sim.
    Fiquei super interessada, confesso! E apesar de não ter sido uma leitura 100% e de faltar algo a mais para você, espero conferir a obra em breve.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  3. Olá !
    Algum tempo atrás dei uma lida na sinopse desse livro mas não sei muita bola para ele ..
    Ao ler sua resenha me encantei pela história.. é tão difícil ler sobre o luto ainda mais de uma criança.
    Mas parece que essa autora soube construir uma boa história envolvente e divertida !!
    Adorei !!


    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Esse livro sim já tinha me encantando, já li algumas resenhas sobre ele, é realmente a história é muito impactante. Nele vemos como o filho e o pai tinha esse relacionamento, é realmente ruim ver que o pai não se importava com ele e só ver depois que perde. E sobre o personagem fazer o que fez pela idosa e um amor incondicional, algo que ninguém faria por ela.

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente que nome é esse, Brolis, a Monica Wood certamente adora brócolis KKKKKKKKK.
    Então, não é meu tipo de leitura. Mas é tão triste observar as pessoas desperdiçando o tempo com coisas tão frívola, ou que parecem ser tão importantes ao ponto de esquecerem ou não se importarem com seus filhos, que só esperam amor e atenção dos pais.

    ResponderExcluir
  6. Olá! Nossa, eu já fiquei emocionada só de ler a sinopse! Não conhecia o livro e fiquei super interessada em ler. Infelizmente só damos valor quando perdemos, vou anotar o nome para não esquecer, por que vou ler esse livro! Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? De fato essa capa é bem enganadora do que podemos encontrar na história. Confesso que o enredo da sinopse me chama mais atenção que a capa em si, e por isso com certeza darei uma chance com os lencinhos do lado, afinal não se emocionar vai ser difícil. Adorei a sua resenha ela só me instigou a lê-lo mais ainda.
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Nossa, que livro pesado! Aliás, parece que a abordagem que a autora escolheu não é pesada, pelo contrário, só que apenas de ler a tua resenha já me veio um peso no coração... Parece ser um livro bom e delicado, mas vou deixar a leitura mais pra frente. Procuro evitar ler histórias que me deixem triste.

    ;*

    ResponderExcluir
  9. Oi!


    Achei o livro intrigante e que pena que você demorou para chegar ao fim. Me vejo lendo o mesmo, achei o enredo bem significativo e diferente do comum. Enfim, agradeço pela dica e vou colocar na minha lista. beijos!

    ResponderExcluir
  10. Já li diversos comentários sobre este livro, e fico cada vez mais curiosa em ler ele, sem dúvidas esta história parece ser bem emocionante e impactante, após ler sua resenha, fiquei mais curiosa ainda para ler este livro, espero gostar da história.

    ResponderExcluir
  11. Oie
    eu tenho o livro na estante mas infelizmente ando sem tempo para ler pois estou aproveitando para dar maior prioridade aos livros antigos que tenho, porém, já amei a resenha e a sinopse, com certeza quero ler em algum momento

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá! Ainda não conhecia esse livro e fiquei bem curiosa. Passa uma bonita mensagem que nos faz refletir. Vou anotar a indicação e espero ler em breve também, bjooooooo

    ResponderExcluir
  13. Olá tudo bem?
    Eu achei a premissa bem interessante, pena que o menino morre logo no início do livro. Fiquei curiosa para saber como o pai e a senhora vão conseguir realizar o desejo dele.

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  14. Olá.
    Achei o enredo bem interessante!
    O luto é algo difícil a ser passar. Ainda mais de uma criança.
    Gosto bastante de histórias emocionante, com bastante aprendizado e lições de vida.
    Achei a capa lindíssima!
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. De onde você tirou que o nome era Brolis??? O menino não foi nomeado pela autora!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiro: pode colocar a tapa a cara, do mesmo jeito que faço ao escrever minhas resenhas.

      Segundo: releia o livro e preste bem a atenção, pois Monica fala sim o nome Brolis!

      Um beijo e #paz

      Excluir