Resenha número 14 .

14 dezembro 2011


Morte e Vida de Charlie St. Cloud
Autor: Ben Sherwood
Editora: Novo Conceito
Nota: 

Sinopse: 
Um coração dividido entre dois mundos. Em uma pacata vila de pescadores da Nova Inglaterra, Charlie St. Cloud cuida dos gramados e monumentos de um antigo cemitério onde seu irmão mais jovem, Sam, está enterrado. Após sobreviver ao acidente de carro que tirou a vida de seu irmão, Charlie recebe um dom extraordinário: ele consegue enxergar, conversar e até mesmo brincar com o espírito de Sam. É neste mundo místico que entra Test Carroll, uma cativante mulher treinando para navegar sozinha ao redor do mundo em um veleiro. O destino faz com que seu barco seja apanhado por uma violenta tempestade, trazendo-a assim para a vida de Charlie. Sua bela e incomum ligação os leva a uma corrida contra o tempo e a uma escolha entre a vida e a morte, entre o passado e o futuro, entre apegar-se ou deixar o passado para trás – e a descoberta que milagres podem acontecer se nós simplesmente abrirmos nossos corações.






   Primeiramente, Charlie e Sam, são praticamente gêmeos univitelinos. Eles apesar da diferença de idade, são tão parecidos, e ao mesmo tempo, tão diferentes, que é isso que dá a graça ao livro. Ben Sherwood tem uma paixão tão grande pela escrita, que nós, meros leitores, conseguimos sim, perceber isso através da leitura deste tão maravilhoso livro.
   A maneira como ele coloca suas decisões, transparecendo a vontade de Charlie. O livro me deixou sem palavras, sem ar. 
Confesso que ao longo da leitura, me peguei algumas vezes, quase chorando, mas não... eu não chorei.
Mas mesmo assim, o livro é muito especial e como sempre, a leitura... mais que recomendada. 





        Sobre o autor: Considerado “o novo Nicholas Sparks”, foi jornalista da NBC e da ABC News, tendo recebido vários prémios. Publicou artigos no New York Times e no Washington Post. Estudou em Harvard e Oxford e vive com a mulher em Nova Iorque.








7 comentários

  1. Gostei do livro, ele parece ser bem legal, mas no momento tenho tanto livro pra ler que prefiro nem querer comprar livros xD

    http://entrepaginasdelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Eu já li esse livro e tive a mesma reação!
    AMEI!
    Ele é lindo!
    Apesar de eu não acreditar e nem gostar desses livros de espíritos e etc, achei o livro lindo! *-*
    Gostei da resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Já ouvi falar do filme e do livro é a segunda vez que leio algo a respeito. Confesso que não é o tipo de livro que me atrai a leitura. Best-seller tem pra mim algo de "leitura de consumo" produzida por uma espécie de receita (exemplo é que em geral os autores de best-seller continuam a vida quase inteira escrevendo livros que são em geral o mesmo). E eles são populares porque são para entreter, para jogar o tempo fora em horas de descanso. A indústria cinematográfica percebeu isso (e não é a toa que os livros que chegam as listas de mais vendidos se tornam filmes). O Nicholas Sparks que era representante farmacêutico, hoje ao que parece continua a sê-lo, pois disse que tem medo de perder o talento se deixar o antigo emprego, tem quase todos os livros vertidos para o cinema – e igualmente estão todos na lista dos mais vendidos. A última vez que vi a lista da Veja ele tinha quatro livros entre os mais vendidos. Esse “novo Nicholas Sparks” certamente, caso não esteja entre os mais vendidos, não tarde há chegar nas listas – a julgar pela alcunha de “novo Nicholas Sparks” ele provavelmente verte em linhas, histórias românticas/dramáticas. Willian, entre a leitura de uma Clarice Lispector ou um Machado de Assis e um “novo Nicholas Sparks”, qual tu lerias? Não estamos a debater a ideia de literatura, enquanto gostos particulares, mas como forma tutelar de arte. Não me parece papel da literatura entreter o homem, mas demovê-lo de seu espaço comum, levá-lo aos questionamentos e as reflexões sobre a sociedade e o microcosmos do qual ele fecunda com atitudes e ideias. Uma literatura que seja composta para as horas de descanso, para entreter o cansaço humano, para emocioná-lo, me parece que perde o fulgor primeiro daquela grande literatura que busca compreender o mundo e libertar o homem de seus grilhões.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Oi Pamela
    Vim agradecer sua visita e fiquei encantada com o seu blog. O nome O Leitor para lá de sugestivo vem bem a calhar com o meu momento de vida. Já houve tempos em que eu era uma devoradora de livros, lia até tres ao mesmo tempo...Depois fiquei anos sem comprar e ler...Este ano de 2011 voltei a ler e a comprar...É tão gostoso pegar um livro na mão, sentar-se num cantinho silencioso e viajar nas histórias...Acho que todo mundo que gosta de escrever adquiriu o gosto através das leituras.
    Parabéns e obrigada por partilhar conosco suas descobertas.
    bj yvone
    ah, assim que passar o fim do ano, vamos divulgar lá no blog seu cantinho.

    ResponderExcluir
  5. Oii nossa me encantei com seu blog!
    O leitor, e vi que livros bons rondam por aqui, eu amo dicas de livros, sou apaixonada por livros e letras e acho muito legal, essas iniciativas. Este livro "Morte e Vida de Charlie St. Cloud" ganhei de aniversário e bom não tive tempo para ler ainda, mas parece ser lindo!
    Deus abençoe, vou colocar esse blog na lista de sonhadores é bom saber dicas!
    http://asoonhadora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. bom dia, obrigada pela visita, estou te seguindo e ora ou outra, passarei por aqui...bjin e fique bem!

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha!
    Ainda não li o livro, mas já vi o filmes umas três vezes! Muuuito lindo!
    Super beijo e sucesso no blog :*
    http://webteentwl.blogspot.com/

    ResponderExcluir