[Informativo] Semana Especial A-LII (parte IV)

15 agosto 2014



Oi pessoal, tudo bem com vocês? Hoje é o último dia do Especial A-LII. Vamos conferir a entrevista que a autora Ana Macedo cedeu ao blog Livroterapias!

Livroterapias: Vamos começar com uma pergunta pessoal... O que a Ana Macedo de 2014 falaria para a Ana Macedo de 2004? E pra Ana Macedo de 2020? ~amo/sou perguntas assim~
Ana Macedo: Hahahaha.
Nunca tinha parado pra pensar nisso!
Pra Ana de 2004 eu avisaria que ela vai passar muito porres na vida, e que não seria fácil, mas diria que isso vai fazer dela uma pessoa melhor, e pediria para ela aguentar firme, apesar de tudo, porque, uma hora ou outra, com o canal certo, a dor vai passar e dar espaço pra grandes realizações.
Pra Ana de 2020 eu imploraria que não perdesse o foco, e pediria que tivesse calma.


L: Quando (ou como) você viu que tem o dom (ou talento, como você queira chamar) de escrever? E se a escrita não estivesse presente na sua vida...Como acha que seria?
A.M.: Ainda não descobri se tenho ou não. Hahaha. Eu faço porque gosto; porque me sinto bem fazendo. Ou pelo menos foi assim que começou, depois eu continuei porque vi que meus livros podiam fazer por outras pessoas o que As Crônicas de Nárnia, Senhor dos Anéis, Harry Potter, Os Karas e muitos outros fizeram por mim.
Bom, acho que se em algum momento eu percebi que, talvez, fosse esse meu "chamado" foi quando as críticas começaram.
Se a escrita não estivesse presente em minha vida eu, provavelmente, seria um poço de depressão enfiado e games, filmes e livros; totalmente infrutífera e sem objetivos.


L: Deixando essas perguntas de reflexão de lado, vamos aos livros! Lágrima de Fogo foi sua primeira publicação, como foi a experiência da jornada de planejar o enredo, escrever, mandar o original para Editoras e finalmente publicar? 
A.M.: Lágrima de Fogo foi muito fluido, até demais, eu diria.
Era um sonho, literalmente, que foi escrito como válvula de escape para uma série de problemas, e que, depois de escrito, voltou a ser um sonho.
Quando eu o publiquei não entendia nada de mercado editorial, nem de nada do tipo, então, do ponto de vista editorial não é uma história muito interessante. Só um pouco incomum, por eu ter tido a oportunidade de escolher a editora onde eu iria publicar meu primeiro livro, fato esse que acontece pouquíssimo. 


L: Eu tive (e estou tendo) o prazer de ler A-LII, seu segundo livro e sua primeira distopia, que é totalmente diferente da Lágrima de Fogo, que é uma fantasia. E tenho algumas perguntas relacionadas ao seu novo livro.

Por que você escolheu o gênero distopia para seu segundo livro? E sendo uma distopia, somos levados a conhecer um governo, e é possível ver seu ponto de vista político em A-LII ou foi tudo criado somente para o livro, a ideia de liberdade, de humanidade?
A.M.: Eu diria que tem, sim, o meu ponto de vista socio-político no livro, mas, em momento algum eu vou enfiá-lo na cara do leitor e dizer "isso é certo" ou "isso é errado". Eu não creio que esse seja meu papel, enquanto escritora. Acredito que meu papel seja o de denunciar e questionar. A conclusão cabe ao leitor, e somente a ele.


L: A-LII é narrado por dois personagens, Allie e Will, você acha que algum deles pareça com a Ana Macedo de hoje? E por quê?
A.M.: Costumo dizer que absolutamente todas minhas personagens são parte de mim, afinal, eu as criei. De alguma forma elas são um espelho de mim, mas, dizer que são parecidos comigo, eu acho forçado.
Já me identificaram com o Will, por eu ter dois irmãos mais novos, e já me identificaram com a A-LII por um trauma que temos em comum, mas daí a dizer que as personagens se parecem comigo, acho um pouco demais.


L: O que você pretende com A-LII, qual é a lição/moral que você quer deixar aos seus leitores?
A.M.: Essa é uma tecla em que eu costumo bater várias vezes.
Eu não acho que o papel do escritor é dar lição, deixar moral, ou educar ninguém. Nosso papel é denunciar e questionar.
Mas as conclusões nunca cabem a nós. na minha opinião.


L: Foi mais "fácil" escrever sua fantasia, Lágrimas de Fogo, ou A-LII? E por quê?
A.M.: Apesar de ambos terem sido formas de fuga pra mim, creio que sejam projetos muito diferentes.
Lágrima de Fogo visa crescer com os leitores, partindo de um público mais infanto-juvenil, com abordagens mais leves de início.
Já A-LII é um tapa na cara de jovens adultos que entendem propriamente a história. É rápido e doloroso do início ao fim.
Mas, se tenho que escolher algum, eu diria que foi A-LII, pelo público, que é muito mais crítico e definido que o de Lágrima de Fogo.


L: Tem novos projetos em mente ou vai se dedicar completamente em A-LII por enquanto?
A.M.: Tenho alguns outros livros escritos, mas só uma delas, uma história SteamPunk, é literatura fantástica.
Fora isso tenho alguns SickLit e ficções históricas.
Mas, por hora, vou me focar em A-LII e na reedição e continuações de Lágrima de Fogo.


L: Deixe um recado para seus leitores e futuros leitores :3
A.M.: Acho que nada cabe melhor do que um "não deixem que nos calem" e um "Que suas histórias sejam sempre repletas de sonhos." :D
Obrigada a todos pelo carinho, apoio, e principalmente, por me aguentarem falando que nem uma matraca.


21 comentários

  1. Nossa, a autora tem como referências livros que eu adoro, especialmente O Senhor dos Anéis, Harry Potter, Os Karas! Gostei dela ter citado um nacional.
    Achei muito interessante a autora ter escrito primeiramente um infantojuvenil de fantasia e depois distopia jovem adulto. Será que o próximo trabalho será ainda mais maduro? torço pelo histórico e pelo steampunk. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Pam! Adorei a entrevista, a Ana é uma fofa né? Já li Lágrimas de Fofo é amei, preciso da continuação. SÉRIO. Eu adorei a narrativa da autora. Agora estou curiosa para seu segundo livro, que é distopia.. Achei bem legal de infantojuvenil ela ir direto para distopia, com certeza vou ler.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  3. Eu não conhecia a autora ainda e nem o livro, senti falta de uma foto da capa dele, mas ao todo gostei bastante da entrevistas. Adorei a primeira pergunta, achei tão criativa e interessante, gostei bastante da resposta da autora e imagino que ela de 2004 ficaria surpresa com o conselho, mas seguiria a risca kkkkk Enfim, adorei o post e irei pesquisar mais sobre a autora e seu livro oo/

    Beijos :*
    Larissa - Srta. Bookaholic

    ResponderExcluir
  4. Primeiramente acredito que a primeira pergunta tenha tudo a ver com o nome Livroterapias, também amo perguntas do tipo e adorei a resposta da Ana Macedo haha Estou curtindo essa semana especial e acho que vou acabar me interessando pelo livro.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Pam.
    Já li essa resenha no blog da Rizia, e o que chamou minha atenção foi a autora enfatizar que seus livros não tem uma lição ou moral, ela dá as cartas, a direção e o leitor conclui...perfeito.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia essa autora, e achei suas respostas bem espontâneas. Já ouvi falar de Lagrimas de fogo, mas nunca o li. Acho que são livros ótimos os escritos por ela. Fiquei surpreendido em saber que ela tem novos livros já escritos :O

    Abraços,
    decaranasletras.bogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Hey Pam. Adorei a entrevista.
    Estou conhecendo o trabalho da autora ao longo dessa semana aqui no blog e estou me encantando a cada dia.
    Adorei o fato dela dizer que ainda não sabe se tem o dom da escrita hahaha
    Mas fazer algo que lhe da prazer é outro nível né?! Por isso torço para que ela tenha sim esse dom ;D

    Beeijinho. Dreeh
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Adorei a entrevista que o livroterapia fez e gostei ainda mais da autora pela humildade dela, pois poucos autores acham que não sabem se tem o dom da escrita.
    Quero muito mais entrevistas.

    Beijos

    As Leituras da Mila

    ResponderExcluir
  9. Achei bem legal ela ter consciência de que seu papel é denunciar e questionar, mas que a conclusão cabe somente ao leitor. Tem escritores por aí que não têm esse respeito, e que forçam demais a barra para a gente pensar como eles. Gostei da entrevista toda, mas essa foi minha parte preferida.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  10. Oie,

    Não conhecia a autora, conheci ela no seu blog, fiquei muito curiosa com os dois livros delas, acho que nunca vi uma distopia escrita por uma brasileira, então estou muito ansiosa, com as resenhas que vão vir por aqui! Amei a entrevista.

    Mayla

    ResponderExcluir
  11. Nossa, nem parece que essa entrevista foi com a mesma Ana que conheci. Ou ela amadureceu muito em pouco tempo, ou é o engano da escrita. Rs
    Fato é que fiquei curiosa pela distopia, já que fantasia não é um gênero de que eu goste.
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  12. Oi,
    Amei a entrevista! Muito bom conhecer a autora e a sua maturidade nas respostas.
    Não curto fantasia, mas quando li algo sobre distopia meus olhinhos já focaram e comecei a desejar! hahaha
    E continue seu projeto de ficção histórica. Livros históricos são excelentes *0*

    Abraço,
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com || http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Pamela,
    Achei muito interessante algumas coisas que a Ana falou....
    Uma delas é sobre o livro dela fazer pelas pessoas o que outros livros de fantasia fizeram por ela... Acho que histórias boas tem que fluir, tem que serem postas pra fora, compartilhadas!
    Outra coisa é sobre o ponto de vista sócio-político, realmente acho que não pode ser imposto, mas apontado, parabéns para ela!
    Estou ansiosa pelo livro pois amo distopias.
    Beijos
    Chrys Audi
    Blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
  14. Oi, Pamela!
    Primeiro de tudo, parabéns pelo especial. Dei uma olhada nele inteiro aqui, e adorei :)
    Acho tão legal quando autores dão entrevistas! Além de sabermos mais sobre o mundo do editorial e como são a vida deles, eles geralmente passam dicas ótimas e várias curiosidades.

    Beijos, Gabi Prates
    Palácio de Livros

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    hhahahaha eu também adoro perguntas que realmente não se espera e que surpreendem. Fico feliz por você, por ter conseguido essa entrevista, acredito que isso significa a evolução do seu blog e agrega também nas suas experiências. Pode continuar com entrevistas, sou super curiosa e acho que por isso adoro ler entrevistas.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi Pam,
    Estou gostando muito dos posts especias da Lii, li uma única resenha do livro e lembro que fiquei interessada pela história.
    Gostei muito de conhecer um pouquinho mais a escritora.
    Enfim parabéns pelo especial.
    Beijos Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  17. Ola Pam , adorei a entrevista , bom saber que a autora traz sempre um pouco de si em seus personagens , trazendo a autora mais perto ainda dos leitores, ainda não li seus livros mas como adoro fantasia já estou correndo pesquisar para ler . beijos e parabéns pela entrevista .

    ResponderExcluir
  18. Adorei a entrevista, acho que todo autor deixa sua marca pessoal e um pouco de si em seus livros e isso é muito interessante.

    Abraços!
    http://pipocaradioativa.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Oi Pam! A autora é bem doce! Adorei a entrevista! Estou bem curiosa com os trabalhos dela! Adorei sua mensagem para nós!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  20. Oi Pamela,

    Adorei a entrevista e a parte que ela diz não saber sé tem um dom (a escrita) mas faz porque gosta.
    O Bom das entrevistas é que sempre conhecemos um pouco mais dos autores nacionais.


    Beijos,

    --
    Priscila Yume
    http://yumeeoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Olá Pam,
    bom eu conheço por falarem das obras desta autora. Ainda não tive a oportunidade de ler Lagrimas de Fogo, mas já ouvi dizer que é muito bom o livro. E este a qual a autora esta lançando sendo uma distopia me interessa bastante. Estou bastante curiosa.
    Agora quanto a entrevista, eu fiquei feliz em ver o ponto de vista dela, principalmente a parte em que ela diz sobre lição que o livro pode trazer, e ela deixa isso aos leitores, pois é apenas um ponto de vista dela, uma critica e convêm a nos levar como lição.
    Adorei conhecer a autora e um pouco mais sobre suas obras.

    Beijokas Ana Zuky

    ResponderExcluir