[Resenha] Nosferatu

27 agosto 2014

Nosferatu
Autor: Joe Hill
Editora: Arqueiro
Número de Páginas: 615
5_estrelas.png (145 × 27)
Sinopse: Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar do mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem. Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor. E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie. Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic. Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.

Este é o segundo livro de Joe Hill que tenho a oportunidade de ler. O primeiro foi logo no início da parceria com a Editora Arqueiro. Fantasmas do Século XX me fez ficar apaixonada pela escrita e pelo horror que pinga a cada página virada. Era óbvio que tinha que pedir agora Nosferatu.

Confesso que esperava algo no mesmo teor, mas percebi que a releitura do grande épico vampiresco foi mais além e me fez prestar atenção a cada frase lida, pois ele é dividido em cerca de doze partes, indo e voltando no tempo, entre 1986 e 2012, sendo este último o mais detalhado.

O livro começa no ano de 2012, quando Ellen, uma enfermeira que trabalha na ala dos detentos de um grande hospital é atacada por Charles Talent Manx é o maior pedófilo já conhecido e está em coma há pouco mais de 10 anos. Ele sabe todos os detalhes da vida de seu filho, sem ao menos ter conversado antes.

É a partir de então que retomamos ao fatídico dia em que Victoria descobre ter um dom. Bem mais que um dom propriamente dito, é algo que faz parte do seu imaginário e de sua alma, assim como ocorre com Charlie, só que de maneira perversa para este.

“Quando os anjos caem, as crianças voltam para casa.”

A Vic adulta tem um filho, cujo nome é com certeza uma inspiração para os nerds: Bruce Wayne. Ela é apaixonada por Lou, o pai dele, mas não tem certeza se estar ao lado dos dois pode ser algo bom. Por isso os deixa por muitos anos, até que resolve se redimir e conquistar seu primogênito.

Mesmo assim, tentando retomar uma vida pateticamente normal, ela continua recebendo telefonemas de crianças pedindo ajuda ou ameaçando-a. Vic sabe muito bem de onde vem tudo isso: da Terra do Natal, um lugar que Manx leva as os menores para nunca mais voltarem.

O último sequestrado é seu filho. Ela usa a própria vida para salvá-lo e a cada página virada, há um novo questionamento. Será que mesmo sofrendo de uma doença que coloca os sonhos em primeiro lugar ela é capaz de fazê-lo sobreviver?

Eu sou uma piranha cruel e psicopata e vou queimar você vivo dentro do seu carro e pegar meu filho de volta.

Acho que todos os caminhos levariam ao grande desfecho que foi Nosferatu. Desde o início sabia que algo estava errado com Victoria e que ela seria de suma importância no decorrer de toda a trama, mas não imaginava que algo tão surreal fosse capaz de fazer com que todos acreditassem nela. Somente após o grande acontecimento lá pelo fim do livro é que sabemos que, no fundo, ela só queria se livrar do grande peso que era saber de tudo aquilo.

Mesmo assim, em determinado momento, achei que Wayne seguiria os passos da mãe. Graças a Lou isso tudo mudou e ele, finalmente, pode tornar-se um menino “normal”.

A editora está de parabéns, afinal, não é todo dia que se vê um blogueiro demorar 3 semanas para terminar um livro tão denso e gostoso como foi Nosferatu. Achei que, pelo início confuso, não conseguiria prosseguir com a leitura. Ainda bem que não desisti, pois isso apenas impulsionou minha vontade de ler todos os outros títulos dele.

Ah, editora Arqueiro, por favor relance O Pacto e A Estrada da Noite. Procurei eles na Bienal e cadê? Esgotados no estoque? Onde já se viu? U.U

E um fato interessante. Procurei saber mais sobre histórias de carros que parecem ter vida própria e acabei de descobrir que há um filme chamado Christine, cujo livro base leva o mesmo título e foi escrito por ninguém menos que Stephen King. Acho que o bom filho a casa retorna, rs.

A simbologia que há por trás de cada elemento sobrenatural ou até mesmo normal que há durante a narrativa é riquíssima, como por exemplo nos penduricalhos que há na Casa Sino. Somente no final descobrimos o que eles são e para que servem (há algo que vocês podem tentar descobrir no primeiro quote!).

A capa não seguiu os padrões do que foi publicado lá fora (vide imagem abaixo), mas achei ela bem melhor, pois o trocadilho de NOS4A2 não faria o menor sentido aqui no Brasil. A diagramação interna é impecável (vide imagens também abaixo) e demonstra um cuidado que só a Arqueiro traz em seus livros. Revisão e tradução maravilhosas também. Em suma, um grande livro!





Trama densa, complexa e magnífica. Sem mais. Joe Hill com certeza é o novo King do terror. 

- São horcruxes - respondeu Vic.

Ele lhe lançou um olhar duro, preocupado.
- Tipo as do Harry Potter?

15 comentários

  1. UAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAU PAMELAUM
    eu to muito a fim de ler esse livro, ou qualquer um do Joe ;-; porque ainda não tive o prazer de conhecer a narrativa dele, só do seu pai lol

    beijosssss
    www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Pamela! A leitura de Nosferatu me surpreendeu, principalmente nos últimos 2/3. Gostei muito da Vic e as viagens do livro. A Terra do Natal ficou projetada na minha cabeça, os dentes de anzol... Também quero adquirir os outros livros do Hill, porque tenho apenas Fantasmas do Século XX. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá Pamela, tudo bem? Gostei muito da resenha e concordo com as suas colocações. Estou lendo Nosferatu a um tempo, decidi não correr com a leitura mas sim deixar ela fluir naturalmente e estou gostando muito. Na verdade curto Joe Hill desde A Estrada da Noite e posso afirmar que, mesmo não tendo terminado ainda, esse é o melhor livro dele.

    Abraços
    www.entrepaginasdelivros.com

    ResponderExcluir
  4. Não gosto de livros de terror, mas sua resenha me conquistou. Recentemente peguei o marcador do livro em uma livraria mas nem sabia sobre o que se tratava, fiquei com vontade de ler.
    Beijos
    Blog: Porão da Liesel
    Página no Facebook

    ResponderExcluir
  5. Oi Pam! Eu tinha visto esse livro antes nos lançamentos da Arqueiro, mas não tinha me interessado. No encontro de blogueiros da Arqueiro na Bienal, o pessoal da editora falou sobre esse livro, sobre a diferença da capa e do filme também. E lá fiquei interessada no livro, e ao ler sua resenha fiquei ainda mais interessada na obra. Parabéns pela resenha.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Pam,
    Li uma outra resenha do livro, o estilo dele não me chama atenção, mas sua resenha me deixou com aquela pulga de curiosidade, quem sabe acabo lendo o livro e gostando, mas por enquanto não pretendo ler.
    Beijos Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  7. Olá, estou bem curioso pra ler esse livro. Não sabia que era tão grande e concordo com você, a capa brasileira é mais chamativa que a outra, tanto pelo trocadilho quanto pela imagem. Adorei saber que tem essas ilustrações incríveis. Já ouvi vários comentários sobre os livros desse autor, tanto de O Pacto e Estrada da Noite e não eram muito convidativos. Mesmo assim, tenho curiosidade de conhecer sua escrita e Nosferatu parece ser um ótimo título.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  8. Olá

    O livro tem uma capa bem chamativa, parece ser super interessante e o Joe Hill parece ser um escritor promissor, embora eu só diga isso com base em algumas resenhas que li de outros livros dele, me interessei o/

    Abraço
    http://pipocaradioativa.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Pamela,
    Amo livros de terror e o Joe é um grande escritor do gênero da atualidade. Os livros esgotados da Bienal residem na minha estante e eu ainda não os li. rs
    Eu morro de vontade de conhecer Nosferatu. O terror, a simbologia e o sobrenatural da trama me encantam e a capa nacional é mais bonita.
    Linda resenha. Me deixou mais instigado e com vontade de ler :)

    Abraços
    Adriano
    GeraçãoLeitura.com || http://geracaoleiturapontocom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá, desde que lançou esse livro que estou com vontade de compra-lo,
    ainda não tive a chance de ler nada do autor, mas muita gente fala bem dele, também
    filho de peixinho, peixinho é. rs. Gostei dos pontos que você levantou sobre a narrativa.
    A capa é linda realmente e estou ansiosa para lê-lo.

    bjs

    http://www.loveebookss.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi,

    Já tinha visto um pouco sobre o livro, mas ainda não tinha me chamado atenção, depois da sua resenha fiquei com muita vontade de ler o livro, amei as ilustrações, sempre me deixam mais curiosa em relação ao livro, me ajuda a compreender melhor a leitura.

    Mayla

    ResponderExcluir
  12. Oi Pam,

    Gostei da sua resenha e, bem, ela me alertou para não ler este livro (rs), é que não gosto de terror, mas com certeza é um livro que deve ser lido pelo amantes do gênero. Aliás, sua resenha está muito bacana, pois instiga seu leitor a investir nesta obra.
    E, menina, você leu rápido as 615 páginas, hein!

    Beijos
    Tânia Bueno
    www.facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá Pam!
    Eu não conhecia esse livro e muito menos o autor. Mas apesar de ser uma história pesada, acho que leria. Sua resenha ficou muito boa e me deixou curiosa pra saber como o livro termina.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Realmente a capa original não faria o menor sentido, e achei a daqui bem mais legal. Que bom que apesar dos problemas com o início você não desistiu e acabou gostando. Só não leria porque não curto o gênero.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  15. Oi Pam, tudo bem?
    Eu adoro livros com muitas páginas, isso não é um problema para mim, pelo contrário, me instiga a ler. Sua resenha está muito bem escrita, adorei sua análise!!!!!!! Só não leria o livro por causa do gênero mesmo, acho que ficaria com medo e não dormiria bem, risos... Mas se não fosse esse "pequeno" detalhe, você teria me convencido.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir