[Resenha] A garota no trem

25 maio 2016

A garota no trem
Autor: Paula Hawkins
Editora: Record
Número de Páginas: 378
Onde comprá-lo: Amazon | Submarino

Sinopse: Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor. Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas dágua, pontes e aconchegantes casas.Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason , Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess na verdade Megan está desaparecida.Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota no Trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

Obrigada sinopse perfeita, vou direto ao que achei do livro em si.

Logo quando vi o lançamento desse livro, eu quis comprá-lo. Daí começaram as resenhas e comentários do mesmo, o que só fez aumentar a vontade e a minha curiosidade. Demorou um pouco mas consegui adquirir um exemplar e demorou mais ainda para eu ler. O principal motivo? Medo de me decepcionar. Ao iniciar a leitura, achei que tudo seria ótimo, que iria me prender, mas realmente foi uma decepção. Calma gente... o livro é bom, mas minha decepção foi porque o mesmo não me prendeu, achei uma história demorada, típico livro que só fica bom mesmo no final.

Tá... muitos vão dizer que a história pede isso senão perde a graça e entrega o jogo logo de cara... Mas porra, um livro de 378 páginas e só nas 100 últimas me prender? É uma coisa linda né?!

Confesso que até pensei em abandonar, mas estava curiosa para saber o que aconteceu com Megan, quem seria a pessoa culpada e se realmente os personagens tinham algo a ver, algum tipo de relação entre eles... e o melhor foi: o que eu desconfiei foi bem aquilo que aconteceu.

A autora escreveu muito bem a história, não se perdeu, teve segurança, mas pra mim não foi tudo aquilo que vi falarem. A história foi bem diferente da proposta. É um livro bom, porém fraco, com final satisfatório e simples, nada de muito engrandecedor.

Se eu recomendo? Lógico, porque não? Vai que para você dá certo, não é mesmo?!!


Gente com que se tem uma história em comum acaba não saindo da sua vida, e, por mais que você tente, não consegue se desapegar, se libertar.

Nenhum comentário

Postar um comentário