[Resenha] A Seleção

Sem sombra de dúvidas essa era uma trilogia que eu passava longe sempre que alguém falava. Não estava em meus planos passar na Nobel aquele dia com a Brubs, ele estar em promoção e ela elogiar tanto a ponto de que, no caminho de volta para casa, ele estar em minhas mãos, junto com outros tantos que eu acabei levando (essa mulher me leva à falência, sim!). Achava o conteúdo deveras infanto-juvenil, algo que eu até gosto de ler, mas que no momento corria contra (como se não houvesse amanhã). O problema maior é que eu realmente gostei do que encontrei em A Seleção. Quer saber o porque? Só acompanhar a resenha!


Em um mundo totalmente diferente do nosso, há cerca de oito castas no mundo, além do Rei, Rainha e seus filhos. Cada uma delas segue um padrão de vida e, consequentemente, um padrão financeiro. Em A Seleção podemos observar justamente esta distinção de raças (por assim dizer) conhecendo mais profundamente nossa protagonista America Singer. Ela pertence a casta de número 5 e é uma grande artista no meio de seus semelhantes. Apaixonada pelos pais e por seus cinco irmãos (ela sempre puxa o lado da sardinha mais para May, ela não deixa essa separação numérica atrapalhar seu relacionamento com Aspen, um rapaz da sexta casta, pelo qual ela é extremamente louca de amores. 

Mas tudo muda com a chamada Seleção, onde o príncipe escolherá, no meio de trinta e cinco garotas, a que será sua futura esposa e herdeira do trono, assim como ele o será. É claro que America tenta fugir de todas as maneiras, mas encorajada por seu grande amor, e com um empurrãozinho da família, acaba se inscrevendo, crente de que não passará pelos critérios para tentar se tornar uma rainha. O grande problema é que seus cabelos ruivos, incomparáveis, e seu gênio forte, parece que foram feitos justamente para este cargo, quando seu nome é dito no programa de TV apresentado por Gavril Fadaye como uma das trinta e cinco sortudas. 

America até cogita a hipótese de relutar, mas a falta de comida e suprimentos para sua família, além de ter visto uma cena nada agradável que envolvia Aspen e outra garota, fizeram-na repensar tudo e partir em busca dessa aventura, tentando manter-se o mais neutra possível, dando a entender que não estava ali para cortejar o príncipe, apenas para conseguir juntar uma quantia significativa de dinheiro e, assim, dar um futuro um pouco melhor a seus pais e seus irmãos pequenos. 

Tudo é muito surreal, diferente de tudo o que ela e as demais garotas haviam vivido. Foram enormes as experiências, desde a saída triunfal do pequeno vilarejo em que morava, até as viagens de avião até o castelo, a comida em abundância, um quarto só seu, com vestidos criados exclusivamente para seu uso. Parecia estar vivendo um conto de fadas. Mas logo na primeira noite, a angústia foi tão grande que ela não pensa duas vezes em tentar sair do castelo. Com falta de ar e dois seguranças que não a deixavam passar, um quase desmaio faz com que o príncipe Maxon surja a seu favor. E não é que a bendita ao invés de agradecer acaba ofendendo-o? 

Essa determinação dela foi o estopim para o começo de uma grande amizade entre os dois, vista com maus olhos pelas demais participantes. Ao final, somente uma estaria com ele e a corrida seria apertada. Mas será que nossa pequena America esquecera do seu grande amor Aspen para viver um romance digno de contos de fadas com Maxon? Ou será que haveria uma reviravolta antes das selecionadas para A Elite?



Pessoal, antes de mais nada, gostaria de falar que talvez o livro não se aparente tanto com uma distopia, mas é claro que ela carrega traços disso. Digo isso por conta da sociedade. É claro que em alguns países, a questão de castas é muito comum, como por exemplo a Índia. Mas é claro que num futuro talvez não tão distante, depois de um evento apocalíptico, provavelmente este sistema voltará a funcionar e a ser útil para a sociedade.

Mas mais do que isso, ele é como um conto de fadas, onde esperamos ansiosamente pelo final feliz do príncipe e da mocinha pobre. Quase uma Cinderela, se pudermos fazer uma comparação mais “palpável”. A todo momento nos deparamos com cenas fofas e dando aquele suspiro de apaixonadas (eu jurava que não ia fazer isso ... paguei a língua bonito haha).

America é uma quase mulher forte, com grande personalidade, que fala o que pensa em quase todos os momentos, e não pude deixar de me identificar com isso. Ela busca o verdadeiro amor, mesmo que isso seja em segundo plano, pois em primeiro está a felicidade e conforto da família.

Na maior parte do livro observamos uma America em busca apenas da permanência e da oportunidade de levar um pouco mais de dinheiro para os pais. Mas há uma grande reviravolta, e aí America já não pensa mais somente nisso. E há uma terceira mudança, com o foco em um triângulo amoroso (que eu não sei não, hein gente... vai dar merda). Ou seja... se você estava achando o negócio meio fraco, muito cheio de mimimi, vai por mim que você vai acabar o livro desejando que o segundo já esteja em suas mãos.

A escrita de Kiera Cass é totalmente envolvente e de rápida leitura, mas nem por isso ela deixa de ser fácil. Muito pelo contrário. Ela estrutura muitíssimo bem todas suas palavras, causando um abalo total nas “nossas” estruturas, rs. E eu espero do fundo do coração que ela mantenha Maxon do jeitinho que ele está, porque ele já me conquistou.

A edição está perfeita. Simples, mas mesmo assim muito boa, com fonte ideal, em tamanho singular para leitura. Não encontrei erros de revisão (e talvez se tivesse encontrado, nem teria lembrado ao terminar, de tanto forninho que caiu no meio do caminho, hahaha), o que me deixa sempre muito animada.

E que venha A Elite. Quero saber como a vaca da Celeste vai sofrer, hahaha.



A Seleção
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Número de páginas: 368
Onde comprá-lo: Amazon





Sinopse: Nem todas as garotas querem ser princesas. America Singer, por exemplo, tem uma vida perfeitamente razoável, e se pudesse mudar alguma coisa nela desejaria ter um pouquinho mais de dinheiro e poder revelar seu namoro secreto. Um dia, America topa se inscrever na Seleção só para agradar a mãe, certa de que não será sorteada para participar da competição em que o príncipe escolherá sua futura esposa. Mas é claro que seu nome aparece na lista das Selecionadas, e depois disso sua vida nunca mais será a mesma...

13 comentários

  1. Oi Pamela!

    Tudo bem? EU AMO A SELEÇÃO!!!!!!! Recentemente coloquei a minha irmã de 12 anos pra ler e ela ficou tão absolutamente apaixonada pela história da Meri e do Maxon que acabou lendo tudo em menos de uma semana e ela tinha terminado apenas um livro até então, Sussurro, e levou um mês (mais ou menos!), então claro que concordo com você que a escrita da Kiera é absolutamente envolvente!

    Bom, você provavelmente vai amar A Elite, só vai melhorando e um alerta: no final a gente acaba gostando da Celeste! Sim chocante né?

    ResponderExcluir
  2. Oie amore,

    AAAAAAAAAAAAAAAAAAA para tudooo... quando vejo resenha dessa série fico maluca, porque é uma das minhas prediletas e me faz lembrar de cada momento bom que tive com a leitura.
    Vai se apaixonar pelos demais livros da série, tenho certeza!
    Adorei a resenha!

    Beijokas!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  3. Essa é uma série que eu passo longe por ser um hype adolescente, mas se você leu e gostou eu to aqui segurando o meu forninho porque eu tava enganada e realmente tem coisa boa na história! Hahahha acho que fica claro que é uma distopia sim, mas o que me deixaria brava mesmo seria esse triangulo amoroso né? Enfim, só lendo pra saber, adorei a dica.

    ResponderExcluir
  4. É, digamos que pode mesmo ser basicamente um conto de fadas mais moderno mesmo , que vai entrar para história porque é muito famoso. Sei que o início é muito bom, tanto que vai virar filme, mas depois dá uma acalmada, pois li várias resenhas, mas ainda espero que saia o filme, já que é uma saga que por enquanto não está na minha lista.

    ResponderExcluir
  5. Heiii, tudo bem?
    Ahh super te entendo, essa série tb nao estava nos meus planos e nem entendia esse amor todo. Mas acabei comprando todos os livros, inclusive os extras hahaha.
    Ainda nao li, confesso...mas está nos planos de 2018.
    Muita gente ja tinha avisado que nao se tratava de uma distopia mesmo, mas eu nem ligo, se a história me envolver, eu ja fico feliz.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Adorei essa leitura, mas poderia ter ficado nos três primeiros livros mesmo. A história de Maxon e America é fofa e vale a pena ser lida. Além de podermos acompanhar a seleção, achei super interessante conhecer sobre as castas citadas.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  7. Olá! Já li a série e curti bastante, mas o melhor mesmo é o primeiro livro. Já os outros, deixaram um pouco a desejar. Mas espero que você curta a leitura, vale a pena de qualquer forma!
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  8. Oi!

    É sempre bom quando damos chances para livros que antes não dávamos tanto. Mas eu tentei ler esse livro e achei ele tão comum, tão mais do mesmo sabe? Não sei se é porque quando tentei ler eu estava em uma vibe mais densa para leituras, mas acabei abandonando o livro. Mas fico feliz que tenha sido surpreendida e que a leitura tenha sido agradável!

    beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bom?
    Também sempre corri dessa trilogia, até que um dia comprei os três de uma vez na Avon, tava barato e resolvi arriscar. Li o primeiro e gostei bastante. Realmente, não é aquela distopia bem distopia, até era um dos meus receios, mas é uma história envolvente. Adorei a resenha.
    Até mais o/

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo joia?
    Eu gosto muito dos livros da série A Seleção. Apesar de ser um romance, ele tem vários pontos mais puxados para o político que eu acho incrível. O romance é legal também, rs. Espero que você goste dos próximos livros!

    Beijos,
    http://www.livroapaixonado.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Eu li a trilogia principal em uma semana, acredita? A história é tão fofa e envolvente que eu me vi ávida para saber o desfecho daquela história.
    Que bom que você deu uma chance e acabou curtindo. O meu preferido é o segundo, acho que o desenvolvimento evoluiu bastante.

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Pamela, como está?
    Eu sou uma das poucas, ou muitas, não sei ao certo, que nunca leu essa série, mas volta e meia ouve falar dela porque dificilmente alguém não faz resenha.
    A premissa do livro é bem interessante e apesar de não ser bem uma distopia, tem alguns traços, considerando o modo como muita coisa aconteceu nessa série.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Olá ♥
    Ao mesmo tempo que tenho curiosidade em fazer a leitura eu já

    perco. Como é um livro muito querido já peguei vários spoiler's. A premissa é interessante assim como você não vejo bem como uma distopia, ta mais para um conto de fadas juvenil. Confesso que tenho curiosidade, mas morro de medo de ir com muita sede ao pote e não ser isso tudo.

    ResponderExcluir