[Resenha] Pandemônio

28 maio 2016

Pandemônio
Livro 2
Autor: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 301
Onde comprá-lo: Amazon | Submarino
3 estrelas

Sinopse: Em Pandemônio, o segundo livro da série, Lena Haloway está dividida entre o "antes"- que mostra seu sofrimento por ter perdido Alex ao mesmo tempo em que precisa se transformar em alguém forte o suficiente para sobreviver na Selva - e o "agora", seu cotidiano infiltrado na cidade como integrante da Resistência. Ela terá que lutar contra um sistema cada vez mais repressor, sem, porém, se transformar em um zumbi: modo com os Inválidos se referem aos curados. E não importa o quanto o governo tema as emoções: as faíscas da revolta pouco a pouco incendeiam a sociedade, vidas de todos os lugares... Inclusive de dentro.

Livro foi resenhado no extinto blog: Livros de Cabeceira

Quem está livre do amor, está perto de Deus.

Lena consegue fugir para a Selva e evitar sua intervenção, mas para sua tristeza, Alex fica para trás. Lena segue o caminho pela Selva até desmaiar de exaustão. Ela é socorrida e quando acorda se vê em uma aldeia dos Inválidos, onde ela se recupera totalmente e acaba vivendo com eles.

Passado algum tempo, Lena, Graúna e Prego vão para Nova York e se passam por zumbis (nome dados aos curados). A jovem se infiltra na ASD – América Sem Deliria – que é liderada por Thomas Fineman. A missão de Lena é se aproximar do filho de Thomas, Julian Fineman, para tentar descobrir o que eles estão planejando fazer com os Inválidos e com a Selva. Só que para o azar de Lena, ela acaba sendo sequestrada junto com Julian... e é ai que a aventura começa.

Em um mundo sem nenhum amor, é isto que as pessoas são umas das outras: valores, benefícios e encargos, nada além de números e dados. Nós pesamos, quantificamos, medimos, e a alma é esmagada até virar pó.

Apesar de esse livro ser mais emocionante que o anterior e conter mais acontecimentos e ter me feito chorar ~~Azul ~~, eu achei mais fraquinho.

A narrativa e a leitura arrastada se encontram em Pandemônio também. O mesmo que eu senti em Delírio, senti na leitura desse livro, porém ambos com um final surpreendente, que nos faz querer o próximo livro o mais rápido possível.

Em Pandemônio os capítulos são intercalados entre o antes e o depois. Antes: narra Lena na Selva; depois: narra Lena em Nova York infiltrada na ASD.  O que nos faz entrar na história e entender os dois lados da moeda e ficar totalmente a favor dos Inválidos ~~pelo menos eu fiquei~~.

Nesse livro Lauren Oliver traz mais emoção e uma Lena mais forte e esperta, além de um governo bem mais exigente, carrasco e sem limites, governo esse que me fez ter arrepios ao ler as descrições das “criaturas” que ajudaram Lena e onde me fez perguntar: é possível existir um mundo desse?

Em suma, Pandemônio é um livro bom, com algumas partes chatas e personagens fortes. Mas a pergunta que não quer calar é: e Alex? Morreu?

Também recomendo a leitura do livro, estou iniciando a leitura de Réquiem ,o terceiro e último livro da série.


Existe um lugar para tudo e todos [...]. É esse o erro que eles cometem lá em cima. Acham que só existe lugar para algumas pessoas. Que só certos tipos de pessoa pertencem a algum lugar. Que o restante é lixo. Mas mesmo o lixo precisa ter seu lugar. Senão entulha, acumula, apodrece. 

Nenhum comentário

Postar um comentário