[Resenha] A menina que não sabia ler

15 junho 2013

A menina que não sabia ler
Autor: John Harding
Editora: Leya
Número de Páginas: 282

Sinopse: 1891. Nova Inglaterra. Em uma distante e decadente mansão, onde nada é o que parece, dois irmãos são negligenciados pelo seu tutor e tio. A jovem Florence, de apenas 12 anos, passa os dias cuidando de seu irmão mais novo Giles e perambulando pelos corredores, em uma rotina tediosa e desinteressante. Até que, um dia, a menina encontra a biblioteca proibida da mansão, e apaixona-se por ela. Mas existem segredos sombrios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Por que Florence sempre sonha com uma misteriosa mulher que insiste em ameaçar seu irmão? O que esconde a nova preceptora? E por que o tio não permite que ela aprenda a ler? Florence precisa encontrar muitas respostas – sejam elas inventadas ou não, e soluções nem sempre fáceis para proteger Giles, e o seu amor pelos livros, antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário.

     Comprei A menina que não sabia ler em uma daquelas promoções lindas e maravilhosas que o Submarino solta de vez em quando. Paguei apenas 10 reais pelo exemplar e comecei a lê-lo logo que chegou em casa. Isso foi em meados de janeiro, e graças às muitas parcerias conquistadas ao longo destes cinco meses, o livro foi abandonado na estante, com a velha promessa de “logo, logo eu te pego de volta, seu danadinho”, rs.
     E cá estou eu, depois de um belo hiatus de leituras (quem me acompanha no twitter e no facebook sabe que eu estava com a maldição de pegar um livro na mão e deixá-lo de lado, não conseguindo iniciar ou concluir qualquer que fosse a leitura) com a resenha de um livro intrigante, surpreendente e, porque não, irracional?
     Florence e Giles são irmão, sendo tutoriados por seu tio (cujo nome não é revelado no livro – pelo menos não que eu me lembre), que não cumpre seu papel presentemente, deixando-os sempre nas mãos de preceptoras ou, como conhecemos, nas mãos de governantas. A que conhecemos logo no início do livro é a sra. Whitaker, cujo fim não foi dos mais agradáveis. Após um incidente fatal, toma o lugar a sra. Taylor, a quem Flo nutre um ódio quiçá mortal. Todos os atos que a governanta toma fazem com que Florence comece a imaginar que ela quer ferir seu irmão mais novo. Uma busca incessante por respostas então se inicia, e ela tem o apoio – na maior parte das vezes, de Theodore Van Hoosier.
     Flo descobre, no meio desse entrave psicológico e imaginário, que a velha mansão abriga uma lindíssima biblioteca e é nela que descobre o prazer da leitura. Autodidata, ela lia um por um dos livros, tomando cuidado para que não perdesse nada do que acontecia dentro daquelas quatro paredes rodeadas de histórias fantásticas.
     As respostas que procuramos na obra, na maior parte das vezes (para não dizer em todas!), não são solucionadas ou apresentadas, e no final somos questionados por nós mesmos se tudo aquilo foi apenas uma invenção da cabeça criativa de Florence ou se os fatos que ela afirmava acontecerem, de fato ocorriam. O instinto superprotetor de Flo sobre seu irmão Giles também é questionável. Até que ponto você passaria por cima de tudo e de todos pelo amor fraternal?
     Antes de iniciar a leitura não procurei por resenhas, tampouco comentários, e imaginava realmente que a história ali presente seria parecida com a de A menina que roubava livros. Pobre de mim. Engano completo ao concluir a leitura. O enredo não é totalmente “amarrado”, como dito anteriormente e talvez isso me deixou um pouco descontente com a obra. Mas entendo que o autor tenha criado de propósito cada acontecimento sem soluções, para que nós, leitores, tivéssemos nossas próprias conclusões.

     Mesmo que não tenha gostado tanto deste desfecho, indico a todos que gostam de suspense e de histórias em que você mesmo cria um final diferente a cada nova releitura. 

6 comentários

  1. Faz um bom tempo que tenho vontade de ler este livro, mais ficava com o pé atrás pois pensava que não ia gostar dele, mais a história é muito interessante.
    Muito boa a sua resenha.
    Beijos....

    ResponderExcluir
  2. Definitivamente o livro é muito bom, fica a critério do leitor o que é real ou não, achei algumas partes bem sombrias e senti até um friozinho na espinha, leitura recomendada para quem gosta de suspense.
    Adorei a resenha, beijos!

    livrosobaluzdalua.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Esse livro também foi uma surpresa pra mim. Eu tinha uma ideia totalmente diferente por causa do titulo. Depois desse livro os espelhos nunca mais foram os mesmos hehehehe. Eu gostei do final, fugiu do obvio.

    http://blogprefacio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Esse é um livro que eu quero ler há tempo, mas não acho disponível nas bibliotecas. :( Ainda vou lê-lo, nem que eu o compre. hehehe

    ResponderExcluir
  5. Conprei o livro numa dessas promos também, e eu ainda não o li,mas o farei em breve!
    Ana.
    http://umlivroenadamais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  6. Oi adorei.. muito obrigado, depois de ter lido sua resenha...me interessei pelo livro....mas vc já leu o livro reverso ... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link ..
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir